Erradicação da hepatite no Brasil têm prazo estipulado até 2030

O país anuncia o Plano Nacional para Eliminar a Hepatite C até o ano de 2030 com a oferta de tratar todos. As expectativas são de tratar 657 mil pessoas nos próximos anos, de acordo com a meta apresentada na Cúpula Mundial de Hepatites 2017, pelo Ministro da Saúde Ricardo Barros. A World Hepatitis Summit, realizada em São Paulo, reuniu ministros, especialistas e ONGs relacionadas a Saúde para debater a eliminação da hepatite viral no mundo todo.

O Ministro destacou que o projeto de acabar com a hepatite C no país já está em andamento e o país é o primeiro a colocar em prática a proposta que é discutida no mundo todo. No país temos 155 mil pacientes com a doença e mais da metade está tratando ou já tratou a doença. O Ministro também disse que pretende aumentar os testes e diagnósticos da doença com a expectativa de distribuição de 12 milhões de testes em 2018, o dobro dos distribuídos em 2017.

Apesar da estimativa de tratamento ser de 657 mil pessoas, esse número ainda é a metade da meta anterior, que era de 1,6 milhões de casos devido à revisão do número, com a colaboração do Observatório Polaris, da Fundação Center for Disease Analysis, nos Estados Unidos, com a parceria da Organização Pan-Americana da Saúde. O objetivo do Ministério da Saúde é o tratamento de todos os pacientes com diagnóstico da doença, além de incentivar novos para os próximos testes.

As regras atuais permitem o tratamento pelo SUS de casos mais graves da doença, ou seja, as fases 2,3 e 4, dos pacientes com coinfecção pelo HIV e os com comorbidades, tais como doenças renais crônicas e manifestações extra-hepáticas, No Plano de eliminação. Todos os pacientes que tiverem o diagnóstico da doença confirmados, poderão ser atendidos, independente do comprometimento do fígado, a partir do ano que vem. A prioridade será dos pacientes com mais gravidades.

O Ministério da Saúde planeja comprar o tratamento em si e não dos medicamentos, com um preço máximo de 3 mil dólares por tratamento, um valor que chega a metade do gasto atualmente. Os dados da doença de cada município podem ser acompanhadas pelo site indicadoreshepatites.aids.gov.br, que dá as informações de acordo com o município, raça, cor, idade e sexo.