Contando carneirinhos: Sergio Cortes dá dicas de como travesseiros e colchões corretos ajudam numa boa noite de sono

Nada pior do que uma noite mal dormida. O corpo sente, a mente fica cansada e a produtividade durante o dia fica lá embaixo.

 

Depois das atividades diárias, um bom sono recupera e regenera nosso corpo. Se esse processo natural é interrompido de alguma maneira, nossa imunidade cai, os níveis de energia diminuem e o resultado: Falta de concentração durante o dia e desânimo. Pior ainda, durante a noite atingimos vários estágios do sono. Os mais profundos, dependendo do estado de relaxamento do corpo, podem não ser alcançados, resultando em um repouso fragmentado e raso.

 

Além da sonolência depois de uma noite assim, o corpo submetido a esse tipo de tratamento vez após vez, pode começar a apresentar riscos de doenças cardiovasculares, diabetes, vários tipos de infecções, além de obesidade. Sim, o risco é bem mais sério do que aparenta ser!

 

Pensando nas possíveis causas para dores diversas depois de uma noite de sono mal dormida, o Doutor Sergio Cortes, médico ortopedista, que ganhou o título de Embaixador para a Década do Osso pela OMS (Organização Mundial de Saúde) em 2002, reporta que uma das razões pode sim estar ligada ao tipo de colchão ou travesseiro utilizado.

 

Problemas na coluna, nos ombros, ou até mesmo dor de cabeça sem razão aparente, podem surgir dependendo dos modelos escolhidos.

 

No caso do travesseiro, segundo o ortopedista, o modelo errado pode resultar em torcicolo e dores incomodas nos ombros e coluna. Durante a noite, nossa cabeça fica muito tempo em uma mesma posição. Se essa posição, durante a noite gerar desconforto, o resultado pode ser, segundo o Doutor Sergio Cortes, desde uma dor de cabeça leve, até problemas mais graves como má circulação sanguínea.

 

O ideal, segundo ele, é deixar o pescoço alinhado à coluna ao deitar no travesseiro. Ajustes no tamanho também resolvem a maioria dos problemas. O ideal é trocar a cada 2 meses, principalmente se começar a apresentar manchas amareladas.

 

Já em relação ao colchão, a questão pode ser ainda mais séria. Câimbras, desvios na coluna, dores no corpo, formigamento, irritabilidade e má circulação são apenas alguns dos vários problemas que podem resultar do uso do colchão incorreto.

 

O Doutor Sergio Cortes reporta que o colchão deve ser confortável em todos os sentidos. O ideal, segundo ele, é um colchão que acomode todo o corpo de maneira que, nenhuma parte fique sobrecarregada. O corpo deve ficar alinhado, relaxado e sem sofrer incômodos. O Ideal é trocar de colchão a cada 8 anos.

 

Segundo Sergio Cortes, o ideal é procurar um especialista em qualquer situação que venha a afetar o bem mais precioso de cada um: Seu próprio corpo. Seja por causa da má postura, ou por conta do colchão ou travesseiro errados, um médico especialista na área pode avaliar a causa e indicar as alterações necessárias.

 

O Doutor Sergio Cortes, é graduado pela Universidade Souza Marques, com especialização e pós-graduação nos Estados Unidos, Alemanha e Argentina. Além disso, foi o ortopedista oficial da Seleção Brasileira de Vôlei Masculino Adulto, da Federação Internacional de Vôlei e do Comitê Olímpico Brasileiro.

Praias de nudismo no Brasil

Praias de nudismo sempre causam um certo espanto nos brasileiros.

Muito conhecidas como comuns fora do país, essas praias são um tanto quanto curiosas para quem não está acostumado com a ideia. Acontece que por trás de todo o tabu e constrangimento que uma praia de nudismo pode causar, há também a curiosidade. Imagine pessoas tomando água de coco no quiosque, ou jogando volei, nadando, tomando um sol, tudo que de usual existe numa praia, mas com todos os indivíduos completamente nus. É, no mínimo, interessante, não é mesmo?

Ao contrário do que muitos pensam, não existem apenas incríveis praias de nudismo internacionais. Em território nacional, praias desse naipe existem sim e talvez muito mais perto do que você imagina. Desfrutar o calor, sem o peso das roupas e bíquinis, pode ser libertador. Florianópolis, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Paraíba, são alguns dos estados onde podemos encontrar boas opções para essa experiência peculiar à nossa cultura caiçara.

Espalhadas por todo o país, as praias de nudismo são viáveis, independente da região de sua residência. Começando pelo sul, vamos falar de Florianópolis.

A ilha da magia esconde a chamada Praia de Galeta. Uma trilha não muito grande, que pode ser feita a partir da Lagoa da Conceição, leva até essa praia. Lá a nudez é opcional, ou seja, você pode ou não tirar suas roupas. Também em Santa Catarina, é possível encontrar praias de nudismo em Balneário Camboriú e Pedras Altas.

No Rio de Janeiro, em Búzios, também é possível encontrar um punhado de terra pra ficar a vontade. Em uma parte da Praia Brava, após percorrer uma trilha de subida cansativa, você encontrará a Olho-de-Boi. Ainda no Rio, na zona oeste, está localizada Abricó. O diferencial dessa praia é que lá os homens podem entrar desacompanhados, o que não é de praxe em outras praias de nudismo.

No Espírito Santo, existe a Barra Seca. Essa localidade fica próxima a Linhares e trata-se de uma ilha. Para chegar ao local próprio para nudismo, é necessário pegar um barco pertencente a Congregação Naturista. A praia possui duchas, banheiros e quiosques.

No calor da Bahia, não poderia faltar um lugar para desencanar dos tecidos. Fortemente considerada no nordeste, a Praia das Dunas, em Massarandupió, fica a menos de 100 km de Salvador. A praia conta com nada menos do que 800 metros de área dedicada ao nudismo. Lá, homens não podem entrar desacompanhados e não é permitido o uso de nenhuma roupa.

Mais acima, na Paraíba, a menos de 50 km da capital, existe a praia de Tambaba. Essa praia foi declarada a primeira de nudismo oficial no nordeste, em 1991. É possível optar pelo uso de roupas, desde que o visitante não desça a escadaria.

Gostou? Tire seu biquíni ou sunga da mala e vá aproveitar as maravilhosas praias de nudismo de nosso país.

 

 

 

 

 

 

Comércio volta a crescer no Brasil

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) o comércio brasileiro volta a crescer na margem de 2% depois de 4 meses consecutivos de queda. A recuperação do comércio varejista começou em novembro, e teve um crescimento em relação ao mês de outubro. Uma das maiores altas se deu em 2007 quando o crescimento chegou a 2,7%.

 

Analisando os dados dos anos anteriores pode-se observar que houve um relativo crescimento no mês de novembro de 2016 que foi impulsionado pelas festas de fim de ano, o que gera um volume maior de vendas. Os ramos que mais tiveram alta foram os hipermercados, os supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo com 0,9% de alta, no setor de artigos de uso pessoal e doméstico houve uma alta de 7,2% e no ramo de móveis e eletrodomésticos o aumento nas vendas foi de 2,1%.

 

Embora esses números mostrem uma reação positiva no comércio, considerando o ano de 2016 em novembro e o seu acumulado de 12 meses, o ano teve o pior resultado desde o 2001 com uma queda de 6,4% nas vendas. Os números que apontam uma melhora foi influenciado pelas promoções do Black Friday no fim de ano que estimularam as vendas no comércio varejista.

 

De acordo com Isabella Nunes, gerente de Serviços e Comércio do IBGE: “Apesar do resultado positivo, ele não reverte a trajetória negativa do comércio. Um crescimento de 0,3% na média móvel trimestral, ele fica muito próximo da estabilidade”.

 

Tendo em vista outras áreas do comércio pode-se observar um crescimento de 0,6% no varejo ampliado que teve uma propulsão ligada à alta de 7,2% das vendas de materiais de construção.

 

As vendas que não apresentaram um bom desempenho foram das lojas de tecidos, de vestuários e de calçados com uma baixa de -1,5%, de livros, de jornais, de revistas e de papelaria a queda foi de -0,4%, e de combustíveis e de lubrificantes os números foram de -0,4%.

 

Tendo como base o ano de 2016, muitas quedas fizeram parte da economia no varejo ampliado que teve uma baixa de 4,5%. Em várias partes do segmento do comércio varejista existiram quedas, entre elas estão as de móveis e eletrodomésticos com -7,4%, e depois de combustíveis e lubrificantes com uma baixa de -8,1%, hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo tiveram uma queda -1,1%.

 

Se for considerada a comparação com o mês de outubro de 2016, o varejo nominal teve um crescimento de 0,9%. Durante todo o ano o crescimento teve um acumulado 4,8%.

A eclosão da crise no sistema penitenciário no Brasil

A realidade dos presídios brasileiros não é um segredo para ninguém. Com a 4º maior população carcerária do mundo, segundo estudo do ministério da justiça, e muito longe de ser capaz de ressocializar algum detento a bomba relógio do sistema penitenciário brasileiro está prestes a explodir.

Nos últimos dias foram deflagradas diversas rebeliões nos presídios do norte do Brasil, Amazonas e Roraima, as quais resultaram na morte sangrenta de mais de 60 tutelados do Estado, a facção criminosa denominada “Família do Norte” comandada por “Zé Roberto da compensa” iniciou uma guerra no interior do COMPAJ – Complexo Penitenciário Anísio Jobim, que findou com a execução de 60 membros de uma facção rival, o PCC – Primeiro Comando da Capita e com a fuga de mais de 180 detentos segundo as autoridades.

 

Nos dias seguintes o caos de instaurou na cidade de Manaus, capital do Amazonas, diversos furtos, assaltos e homicídios foram registrados,e o clima de tensão e insegurança se instalou na sociedade.

Em meio a todo esse caos o Governador do Amazonas José Mélo do PROS recusou inicialmente a ajuda do governo federal que se prontificou a enviar a Força Nacional para o Estado. Essa noticia desagradou e muito os policiais civis e militares da capital que realizaram protestos e ameaçaram iniciar uma greve.

Com o agravamento da crise, o aumento excessivo da criminalidade, e uma nova rebelião que vitimou mais 4 detentos que foram decapitados, dessa vez na Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, localizada no centro da cidade, que havia sido interditada pelo Ministério da Justiça por não dispor de instalações adequadas e está com a infraestrutura comprometida, e ainda sim recebeu a transferência de 200 presos provenientes do COMPAJ, o Governador do Estado enfim aceitou a ajuda do Governo Federal.

A verdade é que a incapacidade do Estado brasileiro de se fazer presente nas periferias do país, de fornecer direitos constitucionais básico como saúde e educação, e a total inversão dos valores inerentes aos direitos humanos tornaram os presídios brasileiros em uma bomba relógio e o tempo está se esgotando.

Somente com trabalho e educação é possível ressocializar o criminoso, os presídios são verdadeiras Universidades do Crime, depósitos de seres humanos que não se adequaram ao sistema, ladrões, estupradores, homicidas, sequestradores e diversos outros se reúnem ao ócio e troca de informações e experiencias e saem dali peritos no mundo do crime.

Diversas convenções internacionais de Direitos Humanos tratam da proibição de penas desumanas ou degradantes, trabalho forçado e outros, no entanto somente condicionando a liberdade daquele que infringiu a lei e ofendeu a sociedade ao estudo e ao trabalho ele terá condições de sobreviver fora do mundo do crime, ao contrário viveremos outros “Carandirus” e outros ” Acidentes Desastrosos” tão intensos quanto estes no decorrer da nossa história.

 

Conmebol declara Chape campeã da Sul-Americana

Agora é oficial: a Associação Chapecoense de Futebol é a campeã da Copa Sul-Americana 2017, conforme declarou a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) na tarde desta segunda-feira (05/12). O título vem de uma maneira peculiar, após o adversário da final, Atlético Nacional de Medellin, declarar que entendia que a equipe catarinense merecia o título após acidente que vitimou jogadores, comissão técnica e dirigentes do clube, além de vários profissionais de imprensa na madrugada do dia 30 de novembro.

Os motivos do acidente, que virou comoção mundial, ainda não se encontram plenamente esclarecidos. Mas a suspeita de pane seca por falta de combustível – após o avião que levava as vítimas não ter sido autorizado a pousar inicialmente – é a que mais se aproxima da realidade, segundo autoridades.

Após inúmeras homenagens, que se iniciaram com a torcida colombiana do Atlético Nacional, que lotou o que seria o palco da decisão, o Estádio Atanasio Girardot, como forma de homenagem e força aos familiares e amigos das vítimas e a todos os brasileiros consternados com a situação.

O velório coletivo realizado na Arena Condá, na cidade de Chapecó, sede do clube, foi o ponto final de despedida dos agora heróis do clube. Com uma cerimônia simples, mas coerente com tamanha tragédia, se viu a presença de autoridades como o presidente da República, Michel Temer, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, e um estádio completamente lotado, mesmo com chuva, para a última despedida.

Com a declaração oficial de que é a campeã da competição em 2016, a Chapecoense agora pode focar-se em sua reconstrução, já que no ano que vem disputará, alem dos Campeonatos Catarinense e Brasileiro, a Primeira Liga e a Libertadores da América (vaga essa obtida por ter sido declarada campeã da Sul-Americana).

Assim, com a promessa ainda de que poderá ser declarada livre do rebaixamento no campeonato nacional pelo período de três anos, além de vários clubes oferecendo auxílio financeiro e se disponibilizando para emprestar jogadores à Chape, o clube deve pensar em seu futuro de agora em diante. Do elenco sobraram 10 jogadores, dos quais nem todos devem permanecer para a temporada seguinte.

Mais informações sobre a decisão da Conmebol podem ser encontradas no site da entidade:
http://bit.ly/2gIbFne

Tragédia no esporte: Atletas mirins russos morrem em acidente de Ônibus

Um ônibus que transportava 34 passageiros, dentre eles dez atletas adolescentes entre 12 a 14 anos, colidiu com um caminhão na rodovia entre as cidades de Khanty-Mansiysk e Tumen na Rússia. De acordo com a Agência de Notícias, 32 pessoas estavam no ônibus, sendo 3 adultos. No total, foram 12 vítimas fatais, dez adolescentes e dois adultos que não eram atletas. As menores não estavam acompanhadas pelos pais.

O acidente aconteceu no último domingo (4), alguns dias após a notícia que abalou o mundo, da queda do Avião que transportava o time brasileiro da Chapecoense.

O ônibus que transportava o time juvenil perdeu o controle na pista escorregadia por causa da neve e foi atingido por um caminhão que vinha no sentido contrário. O acidente aconteceu perto da Sibéria, numa região localizada a cerca de 1930 quilômetros da capital Moscou. O caminhoneiro não conseguiu fazer o desvio a tempo, provocando a colisão frontal.
Bruno Grandi, presidente da FIG (Federação Internacional de Ginástica) e membro do Comitê Olímpico Internacional , se manifestou em um comunicado, lamentando a morte das vítimas e oferecendo apoio às famílias.
“Esta é uma notícia muito triste. Nestes tempos difíceis, nossos pensamentos estão com as vítimas, suas famílias e seus mais próximos. Em nome da Federação Internacional de Ginástica e em nome de todos os que amam nosso esporte, gostaríamos de expressar nossas mais profundas condolências”, afirmou Grandi.
As ginastas faziam parte de uma equipe russa de ginástica acrobática e estavam voltando para casa após a disputa de uma competição nas proximidades da capital russa. Os motoristas dos dois veículos envolvidos no acidente estão detidos para prestar esclarecimentos às autoridades de Khanti – Mansysk que investiga a causa do acidente.
Normalmente, veículos em países como a Rússia, com frequentes nevascas, são equipados com tração nas quatro rodas. Infelizmente esse não era o caso do coletivo que vitimou as menores de idade, causando comoção mundial.
Os jornais locais se revezam para publicar a tragédia do avião que transportava o time brasileiro da Chapecoense, com a fatalidade do ônibus que transportava a equipe do time juvenil Russo de ginástica.

Fonte: http://abr.ai/2hr0UDY

Empresa X funcionários: entenda como gestores domo Duda Melzer modernos têm resolvido essa equação

Quando se fala em recursos humanos, remete-se a um setor onde colaboradores de determinada empresa procuram para que se resolvam questões de ordem prática relacionadas ao trabalho que desempenham. A gestão de pessoas, no entanto, acaba por transcender até mesmo as dependências da empresa, destaca Eduardo Sirotsky Melzer, popularmente conhecido como Duda Melzer. O executivo participa da presidência do Grupo RBS e é observador das muitas mudanças que o meio corporativo vem sofrendo dia após dia.

Em um mundo em constante transformação e permeado por avanços tecnológicos, surge a necessidade, justamente, de se humanizar o modo como os funcionários de determinada organização se relacionam entre si e com seus superiores hierárquicos, reporta Duda Melzer, com base no que se vê em publicações referentes a essa modalidade de administração. Ele, que possui extensa bagagem à frente dos negócios, procura atualizar-se do que acontece no ambiente empresarial.

Diferentemente dos modelos de gestão mais antigos, a comunicação tem se mostrado um dos instrumentos mais favoráveis para o desenvolvimento global das empresas. Primeira necessidade social do ser humano, comunicar-se abrange uma série de variáveis que podem ser determinantes para a saúde da organização, enfatiza Duda Melzer. Segundo sua experiência obtida ao longo de anos, trata-se de algo poderoso tudo o que suscita uma maneira de dialogo direto entre todos os setores organizacionais.

A capacidade de liderança tem transitado pela habilidade de motivar os demais, sobretudo os que se reportam a outro profissional. Dessa forma, fazer com que as pessoas vejam boas razões para trabalharem com afinco, pode significar maior ascensão, tanto dos profissionais, quanto da empresa onde atuam. O empresário sinaliza com seu modo de gerir, que esta é uma forte tendência no que se refere a liderança de pessoas em tempos voláteis como os atuais.

O sentido da comunicação torna-se mais amplo à medida em que surge a necessidade de se aproximar quem antes parecia distante, ou seja, o gestor deve ter sensibilidade em suas interações, mesmo que de forma remota, com os que dependem de seu comando. Por outro lado, as empresas têm sido chamadas a proporcionarem um ambiente mais suscetível às opiniões de quem antes apenas recebia ordens e as obedeciam sem titubear.

Duda Melzer, que possui pós-graduação pela Universidade de Harvard, percebe as mudanças no âmbito empresarial e procura adequar sua forma de gestão ao que anseia o mercado. Conforme avalia, as relações modificam-se ao passo em que a humanidade busca mecanismos que tornem a convivência no trabalho algo mais humanizado, característica que pode ser observada até mesmo em campanhas publicitárias institucionais. Outro aspecto valorizado por ele, trata-se do respeito à sustentabilidade e às questões sociais.

O gestor é sempre uma referência para os colaboradores, posição esta, carregada de responsabilidade. Assim sendo, faz-se necessário que haja empatia por parte de quem lidera determinada organização, a fim de conseguir maior aproximação com todos. Em um ambiente leve e motivado, os funcionários tenderão a produzir mais e com melhor qualidade. De posse do que se vê comumente em programas motivacionais, Duda Melzer consegue estabelecer um paralelo entre o gestor e a importância de sua boa atuação em relação a gestão de pessoas.

 

Saiba mais sobre Duda: http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/jornal-do-almoco/videos/v/presidente-do-grupo-rbs-eduardo-sirotsky-melzer-falar-sobre-a-transformacao-da-zh/3321858/

Samsung irá bloquear uso de Galaxy Note 7 nos EUA

A Samsung anunciou que vai tomar medidas para desabilitar o smartphone Galaxy Note nos Estados Unidos. A medida foi adotada para inviabilizar que os usuários possam continuar utilizando aparelho, que esquentava a ponto de pegar fogo. Os problemas de segurança fizeram com que a empresa parasse sua produção e realizasse um recall para a troca dos aparelhos.
Relatos de temperaturas altas, incêndios e explosões de algumas unidades geraram uma publicidade negativa para a marca, atualmente a maior fabricante de smartphones do mundo. Segundo ela, 93% dos Galaxy Note 7 vendidos nos EUA foram devolvidos à empresa. Os 7% restantes serão alvo de uma medida de atualização no sistema que evitará sua recarga.
A Samsung divulgou o seguinte comunicado: “Para fomentar o recolhimento do Galaxy Note 7 haverá uma atualização do software, que se iniciará em 19 de dezembro, que retirará dos aparelhos sua capacidade para funcionar como dispositivo móvel”.
O usuário que quiser poderá trocar o Galaxy Note 7 por outro smartphone da marca de mesmo valor ou optar por receber o dinheiro de volta. A empresa já retirou mais de 2,5 milhões de Galaxy Note 7 de dez mercados assim que surgiram os primeiros problemas relacionados as baterias de lítio, as quais explodiam durante a recarga. Os aparelhos também apresentaram o risco de incêndio.
Estimativas da empresa sugerem que 1,9 milhão de smartphones foram comercializados nos Estados Unidos, país em que o Galaxy Note 7 é proibido de estar a bordo de aviões. No Brasil, o aparelho seque foi lançado.
Recall não comprometeu a imagem da marca
Uma pesquisa de opinião conduzida pela Reuters/Ipsos mostrou que o incidente envolvendo o aparelho não comprometeu a imagem da Samsung, uma vez que os usuários permanecem fiéis à marca. A rapidez em que a empresa entrou em contato e ofereceu o recall foram determinantes para a preservação da sua imagem.
A pesquisa apontou que 27% dos clientes que estavam cientes do recall optaram por adquirir outro celular da Samsung; 25% daqueles que não sabiam a respeito do recall, procurariam primeiro um celular da empresa.
Também foi possível evidenciar a lealdade dos clientes à marca. Mais de 91% dos atuais clientes da Samsung comprariam outro samatphone da Samsyung, enquanto 92% dos atuais clientes provavelmente comprariam outro produto da empresa.
A pesquisa Reuters/Ipsos foi realizada pela internet nos 50 Estados dos EUA e contou com 2.375 entrevistados, possuidores de celulares Samsung e 3.158 usuários de iPhones. A pesquisa apresentou uma margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou menos.
O foco da Samsung será o smartphone Galaxy S8, que será lançado em 2017. A novidade ficará por conta dos botões físicos, que deixarão de existir. O botão virtual ficará fixo no vidro na parte inferior, segundo a empresa.