Conheça o Desafio Bonn e a iniciativa da Floresvale de Michel Terpins

 

O Desafio Bonn é um esforço internacional para a recuperação de áreas florestais. A ideia central é a restauração 150 milhões de hectares da paisagem natural desmatada ou degradada até 2020 e mais 200 milhões até o fim de 2030. Quem reporta é Michel Terpins, sócio da companhia de reflorestamento ambiental Floresvale. Saiba mais!

O Desafio Boon

Iniciado em 2011, o Desafio Boon tem esse nome devido a reunião acontecida na cidade alemã de Boon. Na ocasião os governos de diferentes países da América Latina também se comprometeram a reflorestar/ restaurar mais 20 milhões de hectares como parte da Iniciativa 20×20.

Há mais de 2 bilhões de hectares de áreas degradadas no mundo e que poderiam ser restauradas. Trata-se de uma extensão maior do que a área da América do Sul, localizadas principalmente em regiões de clima tropical e temperado.

Michel Terpins cita a fala de Bethanie Walder, diretora executiva da Society for Ecological Restoration, “investir na restauração ecológica faz sentido do ponto de vista econômico e também ecológico”. Segundo estimativas da WRI (World Resources Institute) já estão disponíveis US$ 1,15 bilhões para a iniciativa e pode trazer um retorno de US$ 23 bilhões nos próximos 50 anos.

Outro ponto positivo diz respeito a quantidade de CO2 transformada em O2 pelo reflorestamento proposto. Só o Desafio Boon pode gerar retirar quase cinco gigatoneladas de CO2 do ambiente, reporta Michel Terpins.

O conceito de restauração ecológica

De acordo com a Sociedade para a Restauração Ecológica, a restauração é o conjunto de ações visando a recuperação de um ecossistema degradado, danificado ou destruído, com objetivo de devolver suas condições naturais, incluindo o contexto das mudanças climáticas.

A restauração ecológica mostrou-se fundamental para reverter a perda da biodiversidade. Por isso iniciativas e acordos como as Metas Aichi da Convenção sobre a Diversidade Biológica são tão importantes. Elas exigem a restauração ecológica também como uma alternativa para assegurar recursos básicos como água e comida para a população.

O papel do Brasil

O Brasil também faz parte da iniciativa, com uma contribuição voluntária no sentido de reflorestar, restaurar e viabilizar a regeneração natural de 12 milhões de hectares até o fim de 2030. Além disso, também se comprometeu a recuperar 5 milhões de hectares de pastagens degradadas até o fim de 2020.

Michel Terpins também destaca o argumento de Rachel Biderman Diretora Executiva da WRI Brasil: “restaurar 12 milhões de hectares de terras florestais […] são um caminho para o Brasil alcançar grandes reduções nas emissões para o Acordo de Clima de Paris”. Em outras palavras, revitalizar essas áreas irá ajudar a atenuar os resultados das mudanças climáticas.

A Floresvale

A empresa de Michel Terpins nasceu em 2009 e seu ramo de atuação é o manejo de florestas de eucalipto para áreas de reflorestamento como a serraria no Vale do Paraíba, entre os estados de Minas Gerais São Paulo e Rio de Janeiro.

Atualmente é a maior companhia de base florestal focada em madeira sólida de eucalipto. A Floresvale já desenvolveu um polo madeireiro sustentável, composto de mais de 4.000 hectares de florestas manejadas. O que gera empregos e condições interessantes para a região, bem como seu potencial florestal.