Saiba sobre os riscos e benefícios de uma transfusão de sangue

Resultado de imagem para transfusão de sangue

Ela está entre os 5 procedimentos em que os médicos mais realizam no mundo, e foi feita pela primeira vez no século XVII após uma descoberta do sistema ABO, que originou o conhecimento do que era tipagem sanguínea passando a ter uma grande importância no tratamento de pacientes.

A transfusão salvou milhares de vidas durante as guerras mundiais, e após serem descobertas os efeitos positivos da transfusão, o número de efeitos adversos que podem ocasionar em sérias complicações e a morte diminuíram.

Entre as possíveis complicações de uma transfusão de sangue está a contaminação por doenças infecciosas como as hepatites, infecções bacterianas, o HIV e outros tipos de doenças emergentes como a febre chikungunya. Algumas complicações infeciosas também são um risco tais como as sepse, a imunodepressão e a reativação de algumas doenças autoimunes, edemas pulmonares ou algumas reações transfusionais.

Os avanços na tecnologia dos bancos de sangue nos últimos anos são consideravelmente de qualidade e tem como resultados uma melhora na segurança da transfusão de sangue. Os riscos de erros em uma transfusão por incompatibilidade de sangue ou transmissão de infecções atualmente é menor.

A taxa de transfusão de sangue é elevada e muitas vezes são consideradas os benefícios e os riscos de alguns acontecimentos adversos como, por exemplo, uma transfusão de hemácias que é realizada em 60% dos pacientes que fazem uma cirurgia cardíaca em todo o mundo e 50% dos pacientes de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), 20% do que estão internados em hospitais.

Esse grande número de transfusão poderia ser diminuído se houvesse uma análise mais específica e individualmente das necessidades reais de um paciente e os riscos que ele pode correr no procedimento.

O anestesista John Lundy, da Mayo Clinic em 1942 descreveu alguns critérios para serem seguidos antes de uma transfusão e um deles era que o nível de hemoglobina do um paciente deveria ser por volta de 10 g/dl. Após a evolução da medicina nas últimas 10 décadas os estudos feitos mostraram a eficácia do tratamento com maior restrição de transfusão e o Brasil foi o pioneiro na demostração da pesquisa que foi publicada no JAMA Journal of the American Associacionismo e realizada no InCor.

Outro destaque de avanço nessa área são os produtos da coagulação que serão disponibilizados nos hospitais como tratamento de sangramento e diminuição de exposição a transfusão. Aguardamos a evolução na medicina nos próximos anos esperando que ele traga uma tecnologia na transfusão de sangue e que o ensino seja intensificado nessa área, assim reafirmando um compromisso dos profissionais dessa área e uma redução nas transfusões trazendo novos e melhores resultados para a vida dos pacientes.

Veja também: Sintomas da Hepatite