Nova tecnologia é usada para a identificação de árvores

Todo colecionador tem dificuldade tanto em identificar as espécies de árvores que possui, como em garantir que as próximas gerações, possam saber os nomes dessas espécies.

Uma nova tecnologia, parece ser a solução para essas dificuldades. É a tag digital, que é um sistema que identifica as árvores, já sendo usado  em Nova York  e também em Los Angeles. Aqui no Brasil, a prefeitura de Campinas está usando essa tecnologia para identificar as espécies da cidade, que fica no interior paulista.

Esse sistema de tag digital, é uma pequena identificação de alumínio, que tem uma maior durabilidade ou polipropileno, que tem uma menor durabilidade, e que possui informações como o nome da árvore, e também um dado importante: um código do tipo QR, que vem com uma variante do código de barras, possuindo um formato quadrado. Baixando de graça em um aparelho smartphone, se consegue os dados das árvores na hora, com todas as informações.

Além da durabilidade da tag digital em relação as antigas placas de identificação tradicionais, ela é pequena, de fácil instalação e altamente resistente. Mesmo que com o tempo, ela acabe se perdendo, os seus dados permanecerão guardados em uma nuvem digital, tendo a possibilidade da sua localização ser feita através de um GPS, permitindo o resgate da sua ficha corrida de maneira imediata. Dessa forma, as vantagens oferecidas pela tecnologia da tag digital, são surpreendentemente mais atraentes. O empresário Rodolfo Ramos, afirma que há uma extrema vantagem entre a antiga placa comum, e a tag digital. Sendo apaixonado pelas árvores, ele foi pioneiro em Campinas, a utilizar esse sistema. Em sua empresa, a Anubz, já foram etiquetadas cerca de 90.000 árvores. Ela oferece serviços principalmente para empresas, que por exigência da lei, precisam fazer a chamada compensação de carbono. Mas ela também atende pequenos colecionadores, com um custo de cerca de R$12,00 por tag digital.

Em uma placa comum, devido à sua estrutura física, ela possui poucas informações. Ao contrário, a tag digital possibilita um acesso completo dos dados de cada árvore, podendo ainda, incluir opiniões pessoais de cada espécie, além de compartilhar informações delas através de redes sociais, podendo inclusive, juntar à sua identificação uma foto, em um self com alguma árvore preferida.

O fato de maior importância, é saber que cada espécie com a tag digital, pode ser encontrada com um nível de acerto extraordinário, usando serviços como o do Google Maps.

Em Nova York, diversas espécies recém-plantadas, estão identificadas com pequenas placas de tags digitais, penduradas por arames. Mas também podem ser utilizados pregos pequenos, colocados no tronco das árvores, para fazer a sua fixação. Podem ainda, ser utilizados pequenos suportes, fixando a tag digital ao lado das plantas.

Talvez no futuro, a tag digital por mais moderna que possa parecer, ela represente apenas uma etapa intermediária, na questão da identificação das espécies. Os fornecedores do ramo, estão correndo atrás de novas tecnologias, para que a identificação ocorra de forma ainda mais audaciosa: somente com o uso de ferramentas como o GPS, sem o uso de placas.