Estudo revela que contato físico é importante para o desenvolvimento cerebral dos bebês

Um novo estudo realizado pelo Nationwide Children’s Hospital in Columbus, localizado nos Estados Unidos, revelou que o contato entre os pais e o recém-nascido é extremamente fundamental para o bebê conseguir moldar o cérebro ao responderem a estímulos do toque. O estudo concluiu que o toque dos pais proporciona maiores conexões do cérebro do bebê em relação aos aspectos sociais e emocionais que ele terá de lidar quando for mais velho.

A autora do estudo e médica neonatologista, Nathalie Maitre, alegou sobre o estudo: “Nossas descobertas acrescentam à nossa compreensão que uma maior exposição a esses tipos de toque pode realmente impactar como o cérebro processa isso”.

O estudo foi desenvolvido através de uma análise de 125 bebês. Dentre eles estavam bebês que nasceram prematuros, com 24 a 36 semanas de gestação, e bebês que nasceram dentro do período esperado, entre as 38 e 42 semanas de gestação. Todos eles foram submetidos a um teste em que os colocavam em contato com uma espécie de rede macia composta por 128 eletrodos capazes de registrar a resposta dos cérebros dos pequenos referentes a cada sopro suave que recebiam na pele. O sopro foi o método adotado pela estudiosa, pois é um toque tão suave que não poderia causar nenhum tipo de dor aos bebês.

Os resultados apontaram que os bebês que nasceram prematuros, consequentemente passaram por um cuidado muito maior e uma atenção redobrada dos pais, apresentaram uma resposta bem mais forte e consciente ao toque do que os bebês que tiveram o parto dentro do prazo e não receberam tanto contato físico dos pais.

Com a pesquisa, ficou entendido que o cérebro infantil consegue responder aos estímulos suaves de toque. Sendo assim, a médica também conseguiu identificar que os bebês podem diferenciar as texturas do toque, ou seja, eles sabem quando o toque é da pele dos pais ou quando é de um objeto. Por meio do toque, eles ainda conseguem distinguir a pele da mãe, do pai, ou do irmão.

Nathalie afirmou: “O toque realmente parece fazer diferença”. Ela ainda explicou: “E isso é extremamente encorajador porque, se você é pai de um bebê na unidade de tratamento neonatal, muitas vezes se sente fora de controle. Mas é importante saber como cada vez que tocar seu filho fará diferença para a formação dele”.

Outras pesquisas já haviam identificado que os recém-nascidos absorvem diversos estímulos sensoriais ao longo dos primeiros meses, sendo que esses estímulos são capazes de moldar o desenvolvimento dos pequenos. O toque, por exemplo, acaba sendo uma maneira que o bebê encontra de interagir com o ambiente externo e de se comunicar com os pais.

Portanto, a médica aconselha que o toque suave dos pais com os bebês deve ser uma prática constante de amor e carinho. Um ato de trocar uma fralda pode significar muito mais para o recém-nascido do que os pais imaginam, e a consequência disso é um desenvolvimento muito melhor dos bebês em diversos aspectos.

Veja também, estudo revela que bebês já nascem falando.