Depressão também acomete crianças e adolescentes

 

Na nova série da Netflix, intitulada 13 Reasons Why, a personagem Hannah Baker suicida-se, depois de exteriorizar indícios de que alguma coisa não estava funcionando corretamente em sua vida. Mesmo cercada de pessoas, ninguém notava que a adolescente estava diferente.

De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), a depressão, de forma geral, pode induzir a pessoa a frequentes desejos suicidas. Ainda segundo a Organização, esta patologia pode se manifestar em qualquer idade.

O diagnóstico, que já é complicado no período da adolescência, torna-se ainda mais difícil durante a infância pois as crianças, frequentemente, encontram mais dificuldades para externar os sentimentos. Para o médico psiquiatra Mario Louzã, que também é especialista em psiquiatria-geral pela Associação Brasileira de Psiquiatria, pais e educadores devem estar sempre alertas aos sinais físicos das crianças.

Segundo Louzã, “Diferente do adolescente, que tem capacidade verbal mais sofisticada e consegue se comunicar mais, a criança não é capaz de expressar sentimento de tristeza, desesperança e culpa, e nem tem vocabulário para isso. Por isso, é necessário ficar atento ao comportamento. Se a criança está mais parada, mais isolada, se não sorri, não brinca, não se diverte assistindo a desenhos animados na televisão, ou, às vezes se irrita ou fica nervosa sem razão aparente. Essas são formas indiretas de perceber que a criança não está bem”, explica o especialista.

De acordo com o psiquiatra, cerca de 2% da população que possui depressão no mundo é composta por crianças com, no máximo, 12 anos de idade. A ocorrência é bastante incomum antes dos quatro anos, porém, pode acontecer. Os adolescentes, com idades que variam entre 12 e 18 anos, totalizam 5%.

Louzã explica que os adolescentes até poderiam expressar com mais facilidade seus sentimentos, contudo, o mais recorrente é escondê-los.

Para o médico, o jovem não compreende que sensações como angústia e tristeza não deveriam estar presentes naquela fase. A resistência ocorre, pois, é uma época de autoafirmação. O adolescente depressivo não se encara como tal. Pode até conversar com os amigos próximos sobre seus sentimentos, todavia, é improvável que procure ajuda especializada. Além disso, como este período conturbado é marcado pelo excesso de irritabilidade e nervosismo, também conhecido como “aborrecência”, os pais e professores podem ter ainda mais dificuldades em perceber que o comportamento do jovem não está normal.

No último dia 7 de abril, lembrado por ser o Dia Mundial da Saúde, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou uma campanha sobre a depressão. O projeto, que possui o lema “Let’s Talk” (traduzindo em português: “Vamos conversar”), surge como mais uma ferramente na luta contra a prevenção e tratamento da depressão, visto que suas consequências podem ser gravíssimas. Ainda que de maneira leiga, programas de tevê como 13 Reasons Why, podem ser valiosos aliados. Ainda que não tragam situações verídicas, eles contribuem difundindo o tema, mas sem estigmatizá-lo.