Conmebol declara Chape campeã da Sul-Americana

Agora é oficial: a Associação Chapecoense de Futebol é a campeã da Copa Sul-Americana 2017, conforme declarou a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) na tarde desta segunda-feira (05/12). O título vem de uma maneira peculiar, após o adversário da final, Atlético Nacional de Medellin, declarar que entendia que a equipe catarinense merecia o título após acidente que vitimou jogadores, comissão técnica e dirigentes do clube, além de vários profissionais de imprensa na madrugada do dia 30 de novembro.

Os motivos do acidente, que virou comoção mundial, ainda não se encontram plenamente esclarecidos. Mas a suspeita de pane seca por falta de combustível – após o avião que levava as vítimas não ter sido autorizado a pousar inicialmente – é a que mais se aproxima da realidade, segundo autoridades.

Após inúmeras homenagens, que se iniciaram com a torcida colombiana do Atlético Nacional, que lotou o que seria o palco da decisão, o Estádio Atanasio Girardot, como forma de homenagem e força aos familiares e amigos das vítimas e a todos os brasileiros consternados com a situação.

O velório coletivo realizado na Arena Condá, na cidade de Chapecó, sede do clube, foi o ponto final de despedida dos agora heróis do clube. Com uma cerimônia simples, mas coerente com tamanha tragédia, se viu a presença de autoridades como o presidente da República, Michel Temer, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, e um estádio completamente lotado, mesmo com chuva, para a última despedida.

Com a declaração oficial de que é a campeã da competição em 2016, a Chapecoense agora pode focar-se em sua reconstrução, já que no ano que vem disputará, alem dos Campeonatos Catarinense e Brasileiro, a Primeira Liga e a Libertadores da América (vaga essa obtida por ter sido declarada campeã da Sul-Americana).

Assim, com a promessa ainda de que poderá ser declarada livre do rebaixamento no campeonato nacional pelo período de três anos, além de vários clubes oferecendo auxílio financeiro e se disponibilizando para emprestar jogadores à Chape, o clube deve pensar em seu futuro de agora em diante. Do elenco sobraram 10 jogadores, dos quais nem todos devem permanecer para a temporada seguinte.

Mais informações sobre a decisão da Conmebol podem ser encontradas no site da entidade:
http://bit.ly/2gIbFne

Tragédia no esporte: Atletas mirins russos morrem em acidente de Ônibus

Um ônibus que transportava 34 passageiros, dentre eles dez atletas adolescentes entre 12 a 14 anos, colidiu com um caminhão na rodovia entre as cidades de Khanty-Mansiysk e Tumen na Rússia. De acordo com a Agência de Notícias, 32 pessoas estavam no ônibus, sendo 3 adultos. No total, foram 12 vítimas fatais, dez adolescentes e dois adultos que não eram atletas. As menores não estavam acompanhadas pelos pais.

O acidente aconteceu no último domingo (4), alguns dias após a notícia que abalou o mundo, da queda do Avião que transportava o time brasileiro da Chapecoense.

O ônibus que transportava o time juvenil perdeu o controle na pista escorregadia por causa da neve e foi atingido por um caminhão que vinha no sentido contrário. O acidente aconteceu perto da Sibéria, numa região localizada a cerca de 1930 quilômetros da capital Moscou. O caminhoneiro não conseguiu fazer o desvio a tempo, provocando a colisão frontal.
Bruno Grandi, presidente da FIG (Federação Internacional de Ginástica) e membro do Comitê Olímpico Internacional , se manifestou em um comunicado, lamentando a morte das vítimas e oferecendo apoio às famílias.
“Esta é uma notícia muito triste. Nestes tempos difíceis, nossos pensamentos estão com as vítimas, suas famílias e seus mais próximos. Em nome da Federação Internacional de Ginástica e em nome de todos os que amam nosso esporte, gostaríamos de expressar nossas mais profundas condolências”, afirmou Grandi.
As ginastas faziam parte de uma equipe russa de ginástica acrobática e estavam voltando para casa após a disputa de uma competição nas proximidades da capital russa. Os motoristas dos dois veículos envolvidos no acidente estão detidos para prestar esclarecimentos às autoridades de Khanti – Mansysk que investiga a causa do acidente.
Normalmente, veículos em países como a Rússia, com frequentes nevascas, são equipados com tração nas quatro rodas. Infelizmente esse não era o caso do coletivo que vitimou as menores de idade, causando comoção mundial.
Os jornais locais se revezam para publicar a tragédia do avião que transportava o time brasileiro da Chapecoense, com a fatalidade do ônibus que transportava a equipe do time juvenil Russo de ginástica.

Fonte: http://abr.ai/2hr0UDY

Empresa X funcionários: entenda como gestores domo Duda Melzer modernos têm resolvido essa equação

Quando se fala em recursos humanos, remete-se a um setor onde colaboradores de determinada empresa procuram para que se resolvam questões de ordem prática relacionadas ao trabalho que desempenham. A gestão de pessoas, no entanto, acaba por transcender até mesmo as dependências da empresa, destaca Eduardo Sirotsky Melzer, popularmente conhecido como Duda Melzer. O executivo participa da presidência do Grupo RBS e é observador das muitas mudanças que o meio corporativo vem sofrendo dia após dia.

Em um mundo em constante transformação e permeado por avanços tecnológicos, surge a necessidade, justamente, de se humanizar o modo como os funcionários de determinada organização se relacionam entre si e com seus superiores hierárquicos, reporta Duda Melzer, com base no que se vê em publicações referentes a essa modalidade de administração. Ele, que possui extensa bagagem à frente dos negócios, procura atualizar-se do que acontece no ambiente empresarial.

Diferentemente dos modelos de gestão mais antigos, a comunicação tem se mostrado um dos instrumentos mais favoráveis para o desenvolvimento global das empresas. Primeira necessidade social do ser humano, comunicar-se abrange uma série de variáveis que podem ser determinantes para a saúde da organização, enfatiza Duda Melzer. Segundo sua experiência obtida ao longo de anos, trata-se de algo poderoso tudo o que suscita uma maneira de dialogo direto entre todos os setores organizacionais.

A capacidade de liderança tem transitado pela habilidade de motivar os demais, sobretudo os que se reportam a outro profissional. Dessa forma, fazer com que as pessoas vejam boas razões para trabalharem com afinco, pode significar maior ascensão, tanto dos profissionais, quanto da empresa onde atuam. O empresário sinaliza com seu modo de gerir, que esta é uma forte tendência no que se refere a liderança de pessoas em tempos voláteis como os atuais.

O sentido da comunicação torna-se mais amplo à medida em que surge a necessidade de se aproximar quem antes parecia distante, ou seja, o gestor deve ter sensibilidade em suas interações, mesmo que de forma remota, com os que dependem de seu comando. Por outro lado, as empresas têm sido chamadas a proporcionarem um ambiente mais suscetível às opiniões de quem antes apenas recebia ordens e as obedeciam sem titubear.

Duda Melzer, que possui pós-graduação pela Universidade de Harvard, percebe as mudanças no âmbito empresarial e procura adequar sua forma de gestão ao que anseia o mercado. Conforme avalia, as relações modificam-se ao passo em que a humanidade busca mecanismos que tornem a convivência no trabalho algo mais humanizado, característica que pode ser observada até mesmo em campanhas publicitárias institucionais. Outro aspecto valorizado por ele, trata-se do respeito à sustentabilidade e às questões sociais.

O gestor é sempre uma referência para os colaboradores, posição esta, carregada de responsabilidade. Assim sendo, faz-se necessário que haja empatia por parte de quem lidera determinada organização, a fim de conseguir maior aproximação com todos. Em um ambiente leve e motivado, os funcionários tenderão a produzir mais e com melhor qualidade. De posse do que se vê comumente em programas motivacionais, Duda Melzer consegue estabelecer um paralelo entre o gestor e a importância de sua boa atuação em relação a gestão de pessoas.

 

Saiba mais sobre Duda: http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/jornal-do-almoco/videos/v/presidente-do-grupo-rbs-eduardo-sirotsky-melzer-falar-sobre-a-transformacao-da-zh/3321858/

Samsung irá bloquear uso de Galaxy Note 7 nos EUA

A Samsung anunciou que vai tomar medidas para desabilitar o smartphone Galaxy Note nos Estados Unidos. A medida foi adotada para inviabilizar que os usuários possam continuar utilizando aparelho, que esquentava a ponto de pegar fogo. Os problemas de segurança fizeram com que a empresa parasse sua produção e realizasse um recall para a troca dos aparelhos.
Relatos de temperaturas altas, incêndios e explosões de algumas unidades geraram uma publicidade negativa para a marca, atualmente a maior fabricante de smartphones do mundo. Segundo ela, 93% dos Galaxy Note 7 vendidos nos EUA foram devolvidos à empresa. Os 7% restantes serão alvo de uma medida de atualização no sistema que evitará sua recarga.
A Samsung divulgou o seguinte comunicado: “Para fomentar o recolhimento do Galaxy Note 7 haverá uma atualização do software, que se iniciará em 19 de dezembro, que retirará dos aparelhos sua capacidade para funcionar como dispositivo móvel”.
O usuário que quiser poderá trocar o Galaxy Note 7 por outro smartphone da marca de mesmo valor ou optar por receber o dinheiro de volta. A empresa já retirou mais de 2,5 milhões de Galaxy Note 7 de dez mercados assim que surgiram os primeiros problemas relacionados as baterias de lítio, as quais explodiam durante a recarga. Os aparelhos também apresentaram o risco de incêndio.
Estimativas da empresa sugerem que 1,9 milhão de smartphones foram comercializados nos Estados Unidos, país em que o Galaxy Note 7 é proibido de estar a bordo de aviões. No Brasil, o aparelho seque foi lançado.
Recall não comprometeu a imagem da marca
Uma pesquisa de opinião conduzida pela Reuters/Ipsos mostrou que o incidente envolvendo o aparelho não comprometeu a imagem da Samsung, uma vez que os usuários permanecem fiéis à marca. A rapidez em que a empresa entrou em contato e ofereceu o recall foram determinantes para a preservação da sua imagem.
A pesquisa apontou que 27% dos clientes que estavam cientes do recall optaram por adquirir outro celular da Samsung; 25% daqueles que não sabiam a respeito do recall, procurariam primeiro um celular da empresa.
Também foi possível evidenciar a lealdade dos clientes à marca. Mais de 91% dos atuais clientes da Samsung comprariam outro samatphone da Samsyung, enquanto 92% dos atuais clientes provavelmente comprariam outro produto da empresa.
A pesquisa Reuters/Ipsos foi realizada pela internet nos 50 Estados dos EUA e contou com 2.375 entrevistados, possuidores de celulares Samsung e 3.158 usuários de iPhones. A pesquisa apresentou uma margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou menos.
O foco da Samsung será o smartphone Galaxy S8, que será lançado em 2017. A novidade ficará por conta dos botões físicos, que deixarão de existir. O botão virtual ficará fixo no vidro na parte inferior, segundo a empresa.